segunda-feira, 29 de abril de 2013

A revalorização do trabalho

Marcelo Barros
Monge beneditino e escritor
 
 Até os anos 70 ou 80, o 1º de maio era comemorado, no mundo todo, com passeatas e concentrações que reuniam, em cada cidade, milhares de trabalhadores. Hoje, quase não se veem mais essas manifestações e as poucas que ocorrem se reduzem a shows com artistas populares promovidos por sindicatos que fazem isso mais por tradição do que por espírito associativo. A maioria das pessoas percebe que tudo isso mudou e ninguém mais vê movimentos de trabalhadores. Antes, eles se reuniam para exigir melhores salários e condições de vida mais dignas. Hoje, diante da crise do desemprego estrutural, às vezes, são os próprios trabalhadores que propõem redução de trabalho para evitar demissões em massa.
 
Na Europa, no início dos anos 80, analistas sociais escreviam que se a taxa de desemprego chegasse a 8%, a sociedade não aceitaria e haveria uma convulsão social grave. Hoje há países como a Grécia, a Espanha e mesmo a Itália, onde a parcela de desocupados chega a quase 30% e não acontece nada. Na sociedade atual, quem perde o emprego sabe que não se trata de uma situação passageira e que daqui a alguns dias ou semanas ou meses, conseguirá outro. O desemprego é estrutural. As empresas são consideradas sadias e lucrativas quanto menos empregados contratarem. E o mais grave de tudo isso é que essa situação é vista por muitos como normal ou ao menos como inevitável. A maioria dos meios de comunicação apregoa o neoliberalismo como um dogma e a exclusão social da imensa maioria das pessoas como um sacrifício inevitável e positivo do progresso.

De fato, a forma mais atual do Capitalismo considera como seus três grandes inimigos, o Estado, a natureza e o trabalho. Mesmo as Igrejas e religiões não reagem a isso e muita gente que se considera espiritual se deixa cooptar por esse desumano modo de ser e viver. Mesmo em países nos quais o governo se diz popular ou até socialista, a regra é privatizar tudo o que é possível. Fala-se em desenvolvimento sustentável e em economia verde, mas contanto que o lucro dos patrões seja garantido. Como a sociedade é da informação, o trabalho concreto é visto como coisa do passado.

Como os profetas e profetizas da justiça e da paz são sempre minorias, mas nunca deixam de atuar, o 1º de maio continua sendo uma data simbólica. Em algumas cidades, movimentos de trabalhadores promovem encontros e reflexões sobre as péssimas condições de segurança e a precarização do mundo do trabalho, as ameaças de privatização dos hospitais públicos e o desafio da saúde dos trabalhadores, assim como outros desafios que o povo empobrecido enfrenta no Brasil.

Quem é cristão recorda que o evangelho chama Jesus de carpinteiro ou artesão, termo usado na época para qualquer trabalhador braçal. Assim, os homens e mulheres que hoje assumem a missão de participar da caminhada coletiva do mundo do trabalho sabem que ao lutar pacificamente para transformar esse mundo estão sendo testemunhas de que o reinado divino está vindo e Deus está presente na luta do povo pela justiça e pela paz.
 
Fonte: Adital
 
 
CEPRO – Um Projeto de Cidadania, Educação e Cultura em Rio das Ostras.
Alameda Casimiro de Abreu, 292, Bairro Nova Esperança - centro
Rio das Ostras
Tel.: (22) 2771-8256 e Cel.:(22)9966-9436
E-mail: cepro.rj@gmail.com  

Comunidade no Orkut:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=55263085
Twitter: http://www.twitter.com/CEPRO_RJ


 

Nenhum comentário:

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL TRIÊNIO 2022-2025

    EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL TRIÊNIO 2022-2025   ...