quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Escassez de água pode forçar população a se tornar vegetariana, aponta estudo


Em 2015, até 605 milhões de pessoas continuarão sem acesso a água potável. A projeção é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Uma das maiores consequências dessa situação é a escassez de alimentos.

O relatório Alimentando um mundo sedento: Desafios e Oportunidades para a segurança hídrica e alimentar, divulgado em 27 de agosto, na Suécia, aponta que, devido a falta de água, a população terá que mudar seus hábitos alimentares, e substituir a carne por vegetais.

Para os cientistas, a medida é uma opção para reduzir os riscos da escassez do recurso, uma vez que a dieta vegetariana poupa de cinco a dez vezes o consumo de água em relação a proteína animal. “A capacidade de um país de produzir alimentos é limitada pela quantidade de água disponível em suas áreas de cultivo”, destaca o documento.

A relatora especial das Nações Unidas para o direito humano à água e ao saneamento básico, Catarina de Albuquerque, afirmou que cerca de 70% dos recursos usados na agricultura são empregados na produção de alimentos considerados por ela como supérfluos.


“A água utilizada para a agricultura não é toda para realizar o direito humano à alimentação. Aliás, 70% da água utilizada na agricultura serve para produzir alimentos de luxo, desnecessários, supérfluos para a realização ao direito à alimentação. É a carne que vem do Brasil ou as mangas que vêm da Argentina, os ananases da Costa Rica, as laranjas de Israel ou os tomates do Marrocos. São as t-shirts de algodão que vêm da Índia. Nós também temos que pensar no quanto estamos gastando de água.”, ressaltou à Rádio ONU.

Saneamento básico e desigualdades

Na Semana Mundial da Água, realizada de 16 a 22 de agosto, em Estolcomo (Suécia), o Unicef declarou que o acesso a água e ao saneamento básico depende do progresso na luta contra as desigualdades sociais.
“O problema são as desigualdades. Isso quer dizer que muito do progresso que tem sido realizado, tanto em termos de água, como em termos de saneamento se verifica nas grandes cidades, em grandes centros urbanos. Isto quer dizer que aquelas pessoas que vivem em favelas ou em zonas rurais mais remotas têm sido esquecidas e deixam de ser contempladas no progresso que o mundo tem verificado ao longo dos últimos anos”, explicou o órgão.


Fonte: EcoD.


CEPRO – Um Projeto de Cidadania, Educação e Cultura em Rio das Ostras.
Alameda Casimiro de Abreu, 292, Bairro Nova Esperança - centro
Rio das Ostras
Tel.: (22) 2760-6238 e Cel.:(22)9966-9436
E-mail: cepro.rj@gmail.com  

Comunidade no Orkut:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=55263085
Twitter: http://www.twitter.com/CEPRO_RJ

 

Nenhum comentário: