sexta-feira, 15 de junho de 2012

Leonardo Boff: “Carta da Terra é indigesta pelo mundo capitalista e exige mudanças que mostram a realidade que queremos”



Na tarde desta sexta-feira (15), os olhares da Cúpula dos Povos se voltaram para o Lançamento da Rede Brasileira da Carta da Terra. A atividade teve a participação do teólogo e escritor Leonardo Boff, de Miriam Vilela, integrante da Carta da Terra Internacional, de Maria Alice Setubal, do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) e de Ana Rúbia, da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa). 

A Rede, até o momento, está formada por 30 organizações que buscam chamar atenção à importância da Carta da Terra para a sustentabilidade. A iniciativa tem como principal intuito organizar a sociedade civil para demandar que os princípios presentes na Carta sejam inseridos na legislação brasileira e nas políticas públicas.

Ana Rúbia conversou com os\as participantes sobre temas como as dificuldades para se implementar as legislações internacionais e como prova citou a Agenda 21, que por ser vinculante já deveria ter sido implementada pelos Estados, o que não aconteceu. Rúbia também focou na necessidade de se propor uma agenda positiva.

Já Maria Alice chamou os presentes a pensarem em si como cidadãos planetários, "que precisam superar juntos os problemas, e aprender a respeitar e a cuidar de si e do planeta” para que algo comece a mudar verdadeiramente no mundo.

A fala mais esperada da tarde foi a de Leonardo Boff, que arrancou aplausos de começo ao fim de sua intervenção sobre a importância da Carta da Terra. Logo em suas primeiras palavras o teólogo deixou claro por qual motivo este importante documento, com mais de dez anos, não é divulgado amplamente.

"A Carta da Terra não é divulgada porque não é digerível, ela é indigesta pelo mundo capitalista e exige mudanças que mostram a realidade que queremos. E nós temos que ir em busca dessa mudança, pois o futuro que preparam para nós na Rio+20 é nos colocar na beira do abismo”, manifestou.

O teólogo considera que a Carta da Terra é o documento que verdadeiramente marca o início do século XXI e mesmo tendo dez anos, ela continua importante para o momento que a humanidade vive hoje.
Boff também chamou a defender a Carta, pois ela é fruto de uma grande consulta, e "nasceu do grito da Terra, de baixo, dos quilombolas, negros, indígenas, universitários, do povo, e parece que tem algo do Espírito Santo nela”.

Lembrou ainda que no dia 22 de abril de 2009, a Organização das Nações Unidas aprovou as reivindicações de que a Terra fosse chamada de Mãe Terra, "pois terra a gente vende, troca, usa, mas mãe não, mãe a gente cuida e respeita”.

Para tomarmos como exemplo, Boff citou Itaipu como empresa que respeita, reconhece e defende a Carta da Terra, cuida da natureza, respeita a sustentabilidade e propõe um novo tipo de relacionamento com a natureza. 

Encerrando sua intervenção, o teólogo defendeu a Carta da Terra como uma nova forma de reencantamento do mundo - onde se está vivendo tamanha desolação – e como uma ferramenta poderosa que mostra que ainda vale a pena viver.

A atividade foi realizada, entre outros, pela Associação Civil Terrazul.

Conheça a Carta da Terra: http://www.cartadaterrabrasil.org

Fonte: Adital


CEPRO – Um Projeto de Cidadania, Educação e Cultura em Rio das Ostras.
Alameda Casimiro de Abreu , n° 292, 3º andar, sala 02 - Bairro Nova Esperança - centro
Rio das Ostras
Tel.: (22) 2760-6238 e Cel.:(22)9966-9436
E-mail: cepro.rj@gmail.com
Blog: http://cepro-rj.blogspot.com/

Comunidade no Orkut:
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=55263085
Twitter: http://www.twitter.com/CEPRO_RJ 

Nenhum comentário:

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL TRIÊNIO 2022-2025

    EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ELEIÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA E DO CONSELHO FISCAL TRIÊNIO 2022-2025   ...